Blog | Abril azul: debate e conscientização sobre o autismo

29 de abril de 2022

O mês de abril também é voltado para o debate e conscientização do autismo ou TEA (Transtorno do Espectro Autista) e foi designado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no ano de 2008. A proposta de se definir um dia mundial para o autismo (2 de abril) e uma campanha que dure o mês inteiro, parte da necessidade da sociedade em entender as características, respeitar as diferenças e trabalhar conjuntamente na inclusão dos indivíduos. 

Leitura recomendada: Práticas inclusivas: saiba como começar a diversificar o quadro de sua empresa 

Curiosidades sobre a campanha

A cor escolhida para campanha possui relação com a proporção 4:1, que diz respeito ao número de meninos diagnosticados ser maior que o de meninas. No entanto, com o avanço de pesquisas e diagnósticos ao longo dos anos, foi constatado que meninas conseguem ocultar a aparição de algumas características, o que dificultava o processo de identificação do autismo no grupo. 

Em relação aos símbolos, geralmente vemos durante todo o mês de abril uma série de quebra-cabeças para representar o espectro autista. O símbolo foi criado pelo médico e membro do conselho da National Autistic Society, Gerald Gasson. A escolha do símbolo se deu por conta da comum interpretação de que autistas eram indivíduos difíceis de lidar (como um quebra-cabeças). O símbolo não é bem-visto na comunidade autistas, pois também faz alusão ao processo de dificuldade na hora da montagem de peças, presente no jogo de quebra-cabeças. A peça ainda transmite a mensagem de que os autistas possuem dificuldade em se encaixar ou que não são completos. 

Por não se sentirem representados pelo símbolo, a comunidade autista criou o símbolo do  infinito nas cores do  arco-íris. Esse símbolo representa a infinidade de possibilidades no espectro autista e celebra a diversidade de cada uma delas. O infinito também é associado ao símbolo da neurodiversidade. 

Debater sobre o autismo e suas características é importante para combater a desinformação e o preconceito que ainda fazem parte do imaginário da sociedade. Principalmente porque, grande parte da sociedade trata o autismo como uma doença, quando, na verdade, se trata de um transtorno do desenvolvimento neurológico. Sua causa não é aparente, mas já se sabe que fatores genéticos possuem forte influência na aparição dessa condição. 

Para promover o diálogo, romper com preconceitos e desinformações que rondam o tema, a campanha, bem como  criadores de conteúdo diagnosticados com o autismo, tem procurado naturalizar  mais o debate sobre o autismo na sociedade. Desse modo podemos desenvolver ambientes mais inclusivos e lidar melhor com as necessidades do outro para conviver em harmonia. 

A Renaux Service celebra o mês de Abril-azul e deseja que todos possam se unir para incluir, transformar, respeitar e acolher a diversidade!

Voltar