Blog | Práticas inclusivas: saiba como começar a diversificar o quadro de sua empresa

13 de janeiro de 2022

A habilidade de unir diversos setores em prol de um objetivo comum, como o crescimento, faz parte da atuação do setor do RH. Lá se lida com a organização, funcionamento das atividades, integração dos funcionários da empresa e, principalmente, inclusão de profissionais alinhando a cultura organizacional da empresa de modo prático e responsável. 

O RH também é responsável por acompanhar o desempenho da instituição e fornecer uma via para comunicação entre a empresa e os funcionários. Com o emprego de metodologias focadas na seleção e recrutamento é possível garantir a diversidade no quadro de funcionários e a inclusão de profissionais.

Leitura recomendada: Recrutamento e Seleção: dicas para melhorar o processo 

Guia R&S: Entenda a diferença entre recrutamento e seleção 

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Linkedin em 2021, 88% das empresas brasileiras afirmaram que priorizam fazer negócios com instituições que não negligenciam a diversidade. Ou seja, existe uma preocupação direta nas empresas relacionadas ao formato de atuação e alinhamento, umas das outras, com a implementação de medidas eficazes para o avanço da inclusão de profissionais. 

Separamos a seguir alguns pontos que auxiliam o RH no preparo para implementação de medidas mais inclusivas. 

1- Para dar início ao processo é preciso entender o que significa inclusão, diversidade e como tirar isso do papel. Alguns cursos voltados para a equipe do RH e gestão de pessoas, funcionam como guia na hora de desempenhar tal função, mas é preciso ter em mente que o processo precisa ser repassado, também, para demais setores da empresa. 

Bem como a pesquisa, que possui um papel fundamental para conhecer quais são os grupos que precisam ser incluídos, quais suas características, como adequar o espaço para receber os profissionais  e outros pontos que tornam tanto a comunicação quanto a prática mais inclusiva. 

2- Visando promover a inclusão e diversidade (D&I) é necessário trabalhar aspectos de retenção de funcionários. É indispensável se preocupar com esse segundo estágio após a contratação. Os funcionários precisam sentir que a empresa é um local seguro para o desenvolvimento de suas potencialidades e, se preocupa com a forma que o convívio entre os outros se dá. 

Para tal, é importante promover palestras e discussões para motivar,  tirar dúvidas, incentivar o respeito e uma boa relação entre os demais funcionários no ambiente corporativo.

3- Para colocar em prática a cultura organizacional é preciso, antes, desenvolver uma sólida lista do que é essencial para a cultura da empresa, considerando a realidade atual do mercado, suas demandas, os funcionários e todas as pessoas que se relacionam com a empresa.

Ou seja, é necessário direcionar o olhar para o campo interno da instituição e os pilares que fazem parte de sua história, como também olhar para o futuro, suas demandas e principalmente as inovações que ele promove.

4- Criar vagas é o próximo passo que precisa ser pensado. Após estruturar a parte comunicacional e prática da empresa é hora de se preparar para abrir espaço para incluir novos profissionais. As vagas precisam ser claras e convidativas para os grupos minoritários que se deseja atingir. 

Lembrando que no Brasil, os dados são ainda preocupantes. A pesquisa realizada pela Opinion Box, com o título de Diversidade Nas Empresas – O Que Os Dados Nos Contam, de 2019, aponta que 29% das empresas não possuem um profissional PCD(Pessoa com deficiência) e que o alto número de mulheres na sociedade não é sinônimo de mais mulheres empregadas. Na verdade, metade das empresas do Brasil possuem mais colaboradores homens do que mulheres. 

5- Disponibilizar aparato para denúncias e reclamações dos funcionários para combater práticas preconceituosas, discriminatórias e nocivas no ambiente de trabalho. É preciso dar suporte para que todos se sintam seguros e possam desempenhar suas funções sem se preocupar com constrangimentos ou assédios. 

O RH deve também orientar constantemente os funcionários sobre quais são as boas práticas da empresa em relação à diversidade e a inclusão e como todos fazem parte desse processo. As instruções facilitam o entendimento e conexão entre os profissionais, que serão conduzidos durante todo o processo. 

Para avançar no quesito de inclusão e diversidade é preciso estar atento às pessoas que fazem parte da sua instituição e repensar medidas de cultura, valores e política interna constantemente.  Também é importante ter uma equipe de profissionais no RH para liderar o processo com responsabilidade e compromisso. Saiba que pode encontrar essas características em profissionais da Renaux, basta entrar  em contato! 

 

Voltar